Depressão: prevenção pode começar no trabalho

Em dez anos doença atingiu  322 milhões de pessoas no mundo todo, segundo a OMS. Atentas ao problema, empresas já desenvolvem ações para melhoria do ambiente de trabalho. No setor da construção civil, Seconci Goiás desenvolve projeto voltado para trabalhadores dos canteiros de obras

Lançamento do Projeto Saúde Mental na Construção

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a depressão será a doença mais impactante na saúde da população mundial até 2020. Só entre os anos de 2005 a 2015, sua incidência cresceu 18,4%, atingindo 322 milhões de pessoas em todo o mundo. Mas especialistas são praticamente unânimes em afirmar que um dos principais obstáculos para combater o avanço da doença é a dificuldade de seu diagnóstico, o que requer ações preventivas para detectar ou até mesmo evitar o quadro depressivo.

A possibilidade da descoberta da doença antes que ela se agrave é a principal proposta do Programa de Saúde Mental na Construção Civil do Seconci-Goiás (Serviço Social da Indústria da Construção).  O projeto-piloto foi lançado no último mês de junho numa obra de Goiânia.

O projeto surgiu com a percepção, por parte da equipe do Seconci, da frequência dos quadros de ansiedade, transtornos de estresse pós-traumático e depressão na categoria. Um levantamento feito com base nas avaliações comportamentais realizadas pela instituição em 2015  constatou que 2% dos trabalhadores das obras receberam contraindicação de trabalhar em altura no momento da admissão.

“O número parece pequeno, mas é significativo e preocupante, principalmente porque a frequência das causas, esta ligada também a descompensações emocionais”, diz Heloisa da Silva Pinto,  psicóloga e coordenadora do programa.

A metade das contraindicações aconteceu porque o trabalhador possuía sintomas depressivos. A outra metade englobava transtorno de ansiedade generalizada, estresse pós-traumático, fobias específicas, bipolaridade, alcoolismo ou uso de drogas ilícitas. A recomendação para não trabalhar em altura visa prevenir suicídios ou qualquer outra atitude de risco que o trabalhador possa tomar contra sua própria saúde.

Heloísa destaca que as empresas do setor da construção civil já estão atentas ao problema da depressão, cujo sintomas estão entre os principais causas para o afastamento do trabalho em corporações de diversos setores.“Geralmente, o que é uma ansiedade não resolvida tende a se tornar uma depressão no futuro”, explica.

Lourença Costa, Wesley de Andrade Galvão, Heloísa Pinto e Thelma de Jesus no lançamento do Projeto Saúde Mental na Construção

Sofrimento emocional

O projeto inclui palestras e acompanhamento individual com psicólogo e psiquiatra, caso necessário. “O objetivo é dar suporte à saúde emocional dos trabalhadores da construção, além de ampliar o olhar do trabalhador em relação à própria saúde”, conta Heloísa.

O projeto piloto está sendo realizado em uma obra da Construtora e Incorporadora Pontal Engenharia. Na obra foi preparado um espaço especialmente para as reuniões onde um psicólogo acompanha os grupos. Isso, segundo explica Heloísa, permite que cada colaborador possa expressar suas emoções, rompendo com o preconceito em torno da doença.

“Quando o indivíduo está em sofrimento emocional, podemos ter um fator de risco à segurança no trabalho. Lidar com a singularidade dos indivíduos é algo que requer atenção especial, pois essa subjetividade é algo que varia de acordo com a interpretação, julgamento, sentimento e opinião de cada um”, afirma a psicóloga. A periodicidade das ações na obra é bimestral.

A psicóloga afirma ainda que os casos de quadros depressivos são desencadeados por diferentes causas combinadas. “Perder o emprego, a descoberta de outras doenças, acontecimentos marcantes como divórcio, fim de um relacionamento amoroso, bulling e fatores genéticos são situações que podem contribuir com que a pessoa tenha um quadro depressivo. Situações que favorecem o estresse prolongado, como discussões frequentes no trabalho ou em casa também podem levar à depressão, pois faz com que a pessoa passe a duvidar de si mesma e de suas capacidades, diminuindo sua autoestima”, ressalta.

Sobre o Seconci Goiás

Seconci Goiás – Serviço Social da Indústria da Construção no Estado de Goiás é uma Associação Civil autônoma sem fins lucrativos, administrada pelas empresas da construção e tem o objetivo de promover melhorias na qualidade de vida dos trabalhadores da construção, gerando um crescimento saudável nas organizações.

Hoje, aos 26 anos, o Seconci Goiás possui mais de 300 empresas associadas, que oferecem aos trabalhadores e seus dependentes assistência básica de saúde.

A parceria com entidades como SESI, Sinduscon-GO e Ademi-GO contribuem para que o Seconci Goiás realize 14.000 atendimentos ao mês, beneficiando milhares de trabalhadores e contribuindo para uma melhor produtividade nos canteiros de obras.

(Visited 17 times, 1 visits today)