Nariz novinho: rinomodelação é nova febre em consultórios

Com técnicas pouco invasivas é possível modelar o nariz e dar um formato mais fino e elegante sem precisar passar por uma cirurgia plástica

Nova tendência entre blogueiras, a rinomodelação chegou como alternativa para pessoas que sempre estiveram insatisfeitas com seu nariz, mas têm medo de passar por um centro cirúrgico. O procedimento é uma combinação de técnicas que pode afinar e empinar o nariz no consultório em cerca de meia hora, com mudanças significativas, levando em consideração sempre a harmonização facial. O paciente volta às suas atividades normais ao sair em seguida, sem restrições, sem recuperação pós-anestésica, sem bandagens, sangramentos ou hematomas.

Segundo a odontóloga e membro da Sociedade Brasileira de Odontologia e Estética (SBOE) e da Federação Internacional de Odontologia Estética (IFED), Hellen Matias, a rinomodelação é para os pacientes que tenham a dorsal nasal proeminente ou que achem a ponta do nariz caída ou ainda que queiram disfarçar a abertura das narinas. “Podem ser utilizadas até três técnicas. As duas menos invasivas são a injeção de ácido hialurônico no dorso, na ponta e na corumela do nariz ou os fios de sustentação que podem elevar a ponta do nariz e fechar as narinas. A terceira técnica, pouco mais invasiva, seria o fechamento das narinas cirurgicamente, descolando a asa do nariz na base, retirando um pouco de pele e suturando novamente para dar uma condição estética mais agradável”, afirma.

A odontóloga Hellen Matias

O preenchimento de nariz pode ser feito com anestesia local ou bloqueio anestésico e alguns pacientes se dão muito bem com a utilização de preenchedores que já contém anestésico diluído na sua formulação. Podem ser usadas agulhas muito finas ou cânulas e, de maneira geral, os preenchimentos de nariz são realizados sempre na região central dele. É preciso conversar com o profissional para entender as possibilidades e os resultados.

Apesar de parecer simples, o procedimento é uma técnica avançada e requer domínio da anatomia nasal. “Este não é um preenchimento de rotina realizado por profissionais pouco experientes. Preencher a lateral para corrigir eventuais deformidades pode ser mais arriscado em função da compressão de vasos e possível necrose nasal”, afirma Hellen que dá cursos de estética facial em todo o Brasil.